quarta-feira, 12 de dezembro de 2007

Até 2008...Fui!


Impressões Pessoais

Olá!, Pessoal.
Agora só em 2008... Que no próximo ano você seja ainda mais saudável, próspero e feliz.
Desejo a você muitas alegrias! Fui...

sexta-feira, 7 de dezembro de 2007

Percepção da realidade

Impressões Pessoais
por Débora Martins

Estamos nós aqui, novamente enxergando o que outros ainda não vêem.
Será que estamos vendo além do que se pode ver? Nossa, que poético! Seria bom viver em estado de alienação por certo tempo, mas realmente valeria a pena?
A falta de percepção muitas vezes nos leva a cometer erros, ou melhor, a pecar pelo excesso. Como no caso da confiança, por exemplo.
Quando fazemos uma pausa e observamos o ambiente, cuidadosamente, perdemos nossa ingenuidade; e aí fica claro que o que sai de muitas bocas nem sempre condiz com a verdade. Pense nisto!

quinta-feira, 6 de dezembro de 2007

Não gosta de Natal mas gosta de dinheiro, não é?

Impressões Profissionais
por Débora Martins

Você tem um negócio e precisa desesperadamente aquecer as vendas no Natal?
Que bom! Mas você gosta de Natal?
Acredito que talvez algumas pessoas precisem repensar seu comportamento nesta época do ano, só assim as coisas podem melhorar. Ou melhor, as vendas podem melhorar.

Mesmo para quem não compreende o real significado do espírito natalino, vale lembrar que agora é este quem controla as vendas.
Sim, senhores. Poderia discorrer no texto todo com argumentos do tipo: “De nada vai adiantar lotar os estoques...” e “Pra que contratar gente às pressas...” ou ainda “Crie um clima feliz...”.

No entanto, eu prefiro ser mais realista.

Se você não aprender a se relacionar tá na roça, entendeu?

A questão é que agora o impulso de compra tem maior valor sentimental agregado. Pois é, o ato da venda deve ocorrer de forma mais empática e afetuosa.

Acredite, há clientes que atravessam a cidade só para ganhar um sorriso do Papai Noel e o dono da loja pensa que é pela balinha que ele distribui.
Sim, você deve pensar em dinheiro, aliás também escrevi um artigo para que você saiba como aumentar suas vendas.

Mas, voltando ao assunto, estamos falando de sentimentos e emoções.
Procure ver, e sobre isso conscientizar seus colaboradores, que o cliente não só é importante como merece, além de respeito, muito carinho.

Portanto, invista em postura e atitudes que encantem seus clientes. Olhares, gentileza, sorrisos e algumas surpresas podem dobrar suas vendas. Busque tornar sua relação com o cliente algo prazeroso investindo muito pouco, ou melhor, investindo de maneira inteligente, em você. Pense nisto!


Gostou? Indique para um amigo. Clique aqui!
------------------------------------------------------------------------------------
Débora Martins é jornalista, consultora e palestrante organizacional com ênfase em Gestão de Pessoas e Desenvolvimento de Talentos.
Contrate. Acesse o site: http://www.deboramartins.com.br

quarta-feira, 5 de dezembro de 2007

Pessoas não muito boas

Impressões Pessoais
por Débora Martins

Gente, é cada uma que me acontece... Mas é tudo aprendizado!
Outro dia mesmo uma pessoa conhecida, por quem eu até tinha certa consideração, começou a me mandar e-mails ofensivos, ameaçando e usando palavras duras. Era pura humilhação. Opa! Será que tinha necessidade? Depois de um tempo, quando tive a oportunidade de olhar nos olhos desta mesma pessoa, ela me disse: "Me perdoa, estava com o diabo no corpo."
Vai vendo... Um cara que eu também pensava ser gente fina tinha uns riscos na lateral do seu carro. Ele dizia que era um absurdo, tinha sido vítima e não merecia tal vandalismo em seu veículo. Dizia ser uma excelente pessoa.
Na boa, tudo mundo já teve seu carro riscado, talvez por não pagar um real para o flanelinha.
Mas um risco feito com uma chave tetra escrito "VAI MORRER" acho que não foi puro vandalismo não... ahahah...
Como dizia meu pai, "quem é bom não precisa provar nada pra ninguém", são suas ações que determinam seu caráter. Pense nisso, e tome cuidado com os bonzinhos que você conhece por aí... ah!

sexta-feira, 30 de novembro de 2007

Sem espírito natalino, e daí?

Impressões Profissionais
por Débora Martins

Certa vez, uma menina que fazia aulas de dança comigo não queria participar da formatura. Na mesma época foi convidada para brincar de amigo secreto e recusou. Depois fizemos uma roupa especial para usar no Natal, e mais uma vez ela não participou. Na realidade, ela não queria participar de nada mesmo.
“Ora, que coisa!”, pensamos. Foi aí que decidimos perguntar, afinal o clima já estava ficando chato. E ela nos contou que no mês de dezembro perdeu seus pais, já se haviam passado mais de cinco anos, e desde então não fazia nada além de cultivar a dor.
Depois deste episódio sabe o que aconteceu? Todas as meninas do grupo contaram suas histórias. Ao perceber que era uma mais triste que a outra ela mudou sua forma de pensar.

Nas equipes de trabalho o que geralmente acontece é que muitas vezes não estamos sensibilizados para o estado de espírito dos outros e impomos alguma condição: “você tem que fazer parte” ou “você tem que brincar”.

É preciso ter cuidado, compreensão e compaixão para com os sentimentos alheios.
Todo mundo gosta de uma boa bagunça, porém cada um tem seu momento.
É preciso compreender e ser compreendido.

Por mais dolorosas e traumáticas que sejam as experiências e perdas que sofremos no passado, devemos reagir positivamente. Eu escolho. Tenho livre arbítrio e faço opção por estar bem com as pessoas que me amam e estão vivas para também receber meu amor.
Claro que não é fácil, porém ficar alimentando recordações negativas não vai mudar a situação. Afinal, de um jeito ou de outro isso acaba influenciando nossos relacionamentos, principalmente no convívio profissional.
É claro que você também tem sua história e o seu “jeitinho alto-astral” de mudar o humor.
Agora, se eu te contar duas desgraças que ocorreram em minha vida você vai pensar: Nossa! Como ela consegue comemorar o Natal?

Gostou? Indique para um amigo. Clique aqui!

quinta-feira, 29 de novembro de 2007

Sorria!



Impressões Pessoais

"Uma boa ação é aquela que faz aparecer um sorriso no rosto do outro".

- Maomé (Textos Islâmicos)

quarta-feira, 28 de novembro de 2007

Altruísmo. Vale a pena?

Impressões Profissionais
por Débora Martins

Você sabe o que é uma areca? Eu não sabia!
Para minha sorte, descobri da pior maneira possível. Como? Carregando uma!
Antes de qualquer coisa se faz necessário esclarecer o que é uma areca. Afinal, não quero que você desista de ler este texto logo nos primeiros parágrafos.
Areca é um gênero de palmeira da Ásia e África oriental.
Bem, agora que esclarecemos, vou contar um fato que tem mais a ver com altruísmo do que com plantas.

Certa vez, quando estava passeando no litoral norte paulista, fiquei hospedada na casa de um rapaz bem humilde. Essas coisas de missionário, mas isso não vem ao caso agora.
Enfim, o rapaz reclamava que tinha que levar umas “arecaquinhas” para a casa de sua mãe. Reclamava, inconformado, que lhe cobraram quarenta reais pelo carreto.
Eu, no puro espírito filantrópico, me ofereci imediatamente para fazer o transporte, afinal era de uma praia a outra, coisa de 10 km.
Vamos lá! Abri o porta-malas do meu carro e fui para o volante esperar. Quando, de repente, três palmeiras com mais de dois metros e meio de altura atravessam o carro quebrando tudo o que havia pela frente: retrovisor, banco, ralando a pintura das portas, e o porta-malas se encheu de terra. Sem entender muito bem o que estava acontecendo, perguntei: Mas, não eram umas “arecaquinhas”?
O rapaz deu um sorriso e se acomodou no banco de trás do veiculo.
Para minha sorte, ao entrar na pista o DERSA surge mas por milagre não levo multa.
Concluindo. Arecas entregues, mãe feliz e carro estourado.

Há pessoas que têm uma disposição natural para se dedicar ao próximo, mostrar interesse e ajudar. Isso é muito bom, afinal nossa sociedade está cada vez mais individualista.
No entanto, há também pessoas que apenas querem abusar desta boa vontade.
Tá certo que comi bola na história, afinal você nunca pensa que será lesado por alguém conhecido, não é?

Daí, lembrei-me de duas frases que meus amigos dizem com certa freqüência.

1º - “Nunca ajude quem está precisando”.
2º - “Nenhuma boa ação ficará impune”.

Enfim, mesmo com o carro estourado, acredito que a sensação de ajudar ao próximo ainda é algo satisfatório. Só preciso aprender a perguntar antes de me oferecer.


Gostou? Indique para um amigo. Clique aqui!

terça-feira, 27 de novembro de 2007

O Casamento da Dani

Parabéns!!!

Impressões Pessoais

Minha irmã Daniela casou-se ontem.
Que Deus abençoe e ilumine esta união.
Família é algo muito importante!

“A verdadeira felicidade está na própria casa, entre as alegrias da família”

- Léon Tolstoi – Rússia [1828-1910] Escritor

sábado, 24 de novembro de 2007

Feliz natal pra todos, inclusive clientes!

Impressões Profissionais
por Débora Martins

Feliz natal pra todos, inclusive clientes!
Estamos nós aqui novamente tentando tirar pedra de leite para garantir um final de ano bem gordinho.
Obviamente mais gordinhos estaremos em janeiro próximo, depois de tanta comilança. Mas antes que isto aconteça, precisamos cuidar dos negócios. Ei! Também precisamos garantir o do Spa... Ahah...
Enfim, nesta época todos estão preocupados em dar o melhor para seus familiares, se divertir e, sobretudo, gastar muito.
A sensibilidade natalina, mais conhecida como “espírito de natal”, faz com que o maior dos sovinas abra o coração e a carteira.
O mais importante para quem pretende fazer bons negócios é ter em mente que só quem consegue gerenciar relacionamentos obterá sempre os melhores resultados. Faça desta frase uma premissa em sua empresa, ou melhor, em sua vida.
Portanto, comece com alguns exercícios simples que irão mudar a forma de captar e atender clientes.

Sorria – Sim, corra pra frente do espelho e se esforce. Vá treinando... Os primeiros sorrisos sairão amarelinhos, mas depois isto melhora. Se tiver muita dificuldade lembre-se de sua infância. Sempre há momentos felizes para recordar.

Penteie o cabelo – Calma, não que você não faça isso. Mas pode ter alguém aí ao seu lado que tenha se esquecido de cuidar da aparência. O aspecto físico sempre conta, portanto invista num visual clean para combinar com seu novo sorriso.

Bico doce – Ah, as palavras! Benditas palavras, que podem seduzir e encantar, que fazem sapos virar príncipes e quebrantam corações.
Pois é, que tal, além de atualizar seu vocabulário, fazer uso de palavras gentis? A delicadeza no falar traz mais suavidade a qualquer relação, principalmente de compra e venda.

Não é caro, não! – Vixi! Pode ir afastando este espírito de pobreza. Jamais subestime o poder de compra de um cliente. Talvez algo nos pareça caro, afinal nossos valores e percepções são diferentes dos demais. No entanto, temos que manter uma postura neutra, imparcial.
Tenha sempre em mente estas perguntas: O cliente quer comprar? Tem dinheiro para pagar? Satisfaz suas necessidades? Eu consegui me fazer entender? Eu fui honesto?
Pronto, se é caro ou não quem julga é o cliente.

Surpreenda
- Pensou que era só vender e tchau? Nada disso. O seu cliente tem amigos e parentes e vai indicá-lo, logo precisamos ficar atentos. Um sorriso, uma gentileza ou um simples brinde pode fechar o negócio com chave de ouro. Acredito que você também tenha o seu jeitinho de surpreender.

Por enquanto é só, mas estou de olho em você.
Boas vendas, bom atendimento, e muito sucesso!

Gostou? Indique para um amigo. Clique aqui!
------------------------------------------------------------------------------------
Débora Martins é jornalista, consultora e palestrante organizacional com ênfase em Gestão de Pessoas e Desenvolvimento de Talentos.
Contrate. Acesse o site: http://www.deboramartins.com.br

quarta-feira, 21 de novembro de 2007

Êita vidinha profissional medíocre!

Impressões Profissionais
por Débora Martins

Todo dia é a mesma rotina. Nem bem o sol saiu e lá está ela na estação esperando pelo trem, como sempre atrasado e lotado.
O trajeto é o mesmo e o cardápio da marmita também. A geladeira da empresa cheira a necrópole e guardar o seu almoço lá... Triste, não?
Agora, se mudarmos algumas palavras será que faz diferença?
Que tal trem por carro, atrasado e lotado por transito caótico e marmita por lanche fio?
Hum... Se você pensou que talvez esta segunda opção esteja mais próxima de sua realidade... Sinto muito, mas em minha opinião é deprimente do mesmo jeito.
O ser humano é, sem dúvidas, um ser especial.
Sim, temos poder para criar e desenvolver coisas grandiosas, de que muitas vezes nem nos imaginamos capazes.
A rotina é algo desgastante, concordo; no entanto, acredito que podemos transformar nosso dia-a-dia em uma experiência muito mais interessante e gratificante.
Infelizmente, o mercado está repleto de profissionais medianos - fui até gentil com este povo agora. Mas, como me é peculiar, serei bem objetiva. Pois é, isto significa que nas empresas podem-se observar vários indivíduos caminhando de um lado para outro, somente cumprindo horário.
Sabe, aqueles indivíduos que têm poucas qualidades, pouco valor, pouco merecimento... Também, pergunto: fazem por merecer?
Independentemente das condições de trabalho, seja na indústria, comércio ou nos escritórios há profissionais sem expectativa, sem entusiasmo e, sobretudo, acostumados a reclamar, e reclamar, e reclamar.
Bem, aí vai um alerta. Somos responsáveis por nossa carreira. Se não assumimos as rédeas do nosso destino profissional não temos a quem culpar. Quem decide optar por uma vidinha profissional medíocre somos nós mesmos.

Gostou? Indique para um amigo. Clique aqui!

terça-feira, 20 de novembro de 2007

Bonitinha, mas ordinária!

Impressões Pessoais
por Débora Martins

Você conhece as lojas Scene? Talvez haja uma em sua cidade.
Esta é com certeza a lojinha mais linda que eu já vi. Lá eles comercializam moda jovem unissex, cujo forte são os temas marinhos. A vitrine é um show, onde há golfinhos de todos os tamanhos e os tons bebês encantam. Agora entre, sim, entre para saber o que é ser mal atendido. Pera aí, eu disse mal atendido? Desculpe, o correto é d-e-s-g-r-a-ç-a-d-a-m-e-n-t-e atendido. Vou descrever de forma espacial: Parece que você é um ser de outra galáxia que está invadindo o planeta das vendedoras. Estas, que por sua vez estão debruçadas sobre o balcão, ignoram você e transmitem a maior carga de má-vontade do universo.
Na boa. Exageros e gracinhas à parte, esta é a segunda vez (veja como sou insistente) que tento comprar algo nesta loja, inclusive em cidades diferentes. Parece que adotaram um padrão desprezível e arrogante de atendimento. Bem, se são felizes assim isto já é outro papo. Agora, se um dia quebrarem, a culpa terá sido “do mercado”. Sorte que temos livre arbítrio, além de uma diversidade de opções. Não compro na Scene nem por decreto!

Gostou? Indique para um amigo. Clique aqui!

sexta-feira, 16 de novembro de 2007

Nem tudo é ruim!

Impressões Pessoais
por Débora Martins

Toda terça-feira é a mesma história. Acordo super disposta e quero fazer mil coisas. O que não realizei no final de semana nem na segunda-feira poderia muito bem ser realizado na terça.
Pela manhã sinto vontade de visitar minha mãe que mora do outro lado da cidade. Na hora do almoço quero encontrar uma amiga para um bate-papo. À tarde comer a torta de limão no restaurante Viena, e quando chega a noite nada mais justo que passear por aí, shopping, restaurante, barzinho, casa de amigos, etc. O importante é sair. Só tem um probleminha. Na minha cidade existe um negócio chamado Rodízio Municipal de Veículos. Pois é, a coisa funciona assim, em determinado dia da semana e pelo final da placa, meu carro não pode circular nas principais ruas e avenidas da cidade das 7 às 10 e das 17 às 20 horas. Se sair levo multa, viu? Pensando bem, graças a Deus que existe esse rodízio, pois além de desafogar o trânsito da cidade preserva nossos pulmões, e ainda ajuda a conter os impulsos de compra de muita gente, inclusive o meu. Afinal, há idéias que vêm para o bem.

Imagem Fonte: Blog do Estadão
Rodízio: um mal necessário

Gostou? Indique para um amigo. Clique aqui!

quarta-feira, 14 de novembro de 2007

Esse otimismo ainda me mata!

Impressões Profissionais
por Débora Martins

Pessoal, é impressionante como tem gente pessimista neste mundo. O cara já faz o negócio pensando que vai dar errado. Parece brincadeira. É com se estivesse se boicotando o tempo todo. O pior é que quem é assim nem percebe, e tenta convencer os outros de que na verdade o que acontece com ele é a Lei de Murphy.
Aposto que já se lembrou de alguém que trabalha ou já trabalhou com você, não é?
Isso também me recorda as sarcásticas tiras do Dilbert, que quando traduzidas para o português ganham maior impacto nestas questões.
Só para se ter uma idéia de como isso é crônico por parte de alguns indivíduos, vou dar um exemplo: Certa vez, quando trabalhava na redação de um jornal em São Paulo, o editor pediu matérias sobre bairros e suas diversidades.
Vocês não acreditam, eu fui a única pessoa que entregou pautas sobre cultura, variedades e benfeitorias do bairro.
Meus colegas entregaram laudas recheadas de desgraça. Conclusão: formam publicados e eu não.
Parece que este gosto pela calamidade vem-se acentuando a cada dia, tornando as pessoas mais catárticas do que nunca.
Bem, em meus textos já falei sobre vampirismo espiritual, gente chata e inconveniente, e principalmente sobre gente sem noção (entenda-se “cara que tem preguiça de pensar”), mas ultimamente esse povo pessimista ganha.
Falando em ganhar, pergunto: O que há de mais em assumir uma postura positiva, de bem com vida? Afinal, o que se perde com isso?
A partir do momento em que colocamos energia e fé em nosso cotidiano podemos, sim, apostar que as coisas podem-se tornar ótimas.
Tudo bem que existam pessoas que têm uma disposição natural para o otimismo. No entanto, acredito que com um pouco de esforço qualquer pessoa é capaz de ver as coisas pelo lado bom, esperando sempre uma solução das situações ainda que muito difíceis. Pense nisso!

Gostou? Indique para um amigo. Clique aqui!

domingo, 11 de novembro de 2007

Com a paciência muito curta, curta mesmo

Impressões Profissionais
por Débora Martins

Você já percebeu como tem gente sem o que fazer por aí?
Outro dia vi quatro pessoas trocando o galão de água de um bebedouro. O impressionante é que ainda conseguiram se molhar! Mas não é só isso, ainda se pegaram numa discussão de duas horas sobre o tema: Será que gravata de seda encolhe?
Edificante, não?
Parece que tem gente que fica o dia inteiro se apegando a assuntos inúteis. Daí, como esse povo não trabalha acha que você também tem tempo para papinhos de aranha. Gente, precisamos criar um movimento anti-besteirol! Desculpem (olha eu novamente impondo minha vontade). Mas vamos analisar. Talvez o besteirol seja a única coisa que tenha restado na vida deles. Peguei pesado, xiii...

A Desestruturação das Perspectivas

Impressões Profissionais
por Débora Martins

Conflitos de valores, choques culturais, deficiência gerencial, falta de clareza, de perspectiva, de formação técnica específica, comunicação truncada, acomodação social, ganância pelo poder, desinteresse, reações e dificuldades emocionais e tudo mais permeiam as relações interpessoais e têm contribuído para o aumento da pressão dentro das empresas.

De certa forma, a situação gerada pela globalização, por privatizações, fusões entre empresas e a péssima administração política do país também têm contribuído para aumentar tensões dentro das organizações.

Seja pela constante ameaça de demissão ou pelo aumento da exigência técnica, os indivíduos sofrem, sobretudo com a velocidade das mudanças que atropela as pessoas e acaba por causar a desestruturação da perspectiva de futuro, ou ainda a perda de identidade cultural das organizações.

O problema é visto a olho nu, é crescente o número de indivíduos que sobrevivem nas organizações sentindo-se desmotivados, estressados, com baixa auto-estima e comportamentos defensivos.

Estes indivíduos cada vez mais acham conveniente não permanecer numa empresa cujas condições de trabalho ou cujo sistema de gestão não estejam de acordo com as suas expectativas. A grande maioria acredita que é melhor mudar de empresa do que mudar seu comportamento, mais fácil que tentar conviver em harmonia seria conviver em outro lugar.

Por outro lado, esta flexibilidade faz com que o indivíduo viva em constante sobressalto, sentindo a possibilidade, sempre presente, da não adaptação às exigências do mercado e, conseqüentemente, pressentindo o fantasma da demissão.

Parece que estamos à beira do fracasso das relações sociais; cada indivíduo se fecha completamente em seu mundo e resgatar o corporativismo é missão impossível, pois a falta de perspectiva gera uma carga de desmotivação que pode levar ao total desinteresse por maior esforço de autodesenvolvimento.

Para reestruturar as perspectivas destes indivíduos é preciso minimizar esses efeitos, buscando promover o comprometimento das pessoas na construção de relacionamentos mais saudáveis e de melhor qualidade. De certa forma, trata-se de assumir uma atitude positiva com relação ao outro indivíduo.

Porém, sempre lembrando que este está em busca de melhores condições de trabalho; melhores salários; um plano de carreira; mais segurança, além de maiores benefícios (assistência médica, treinamento, etc.).

Acredite! Um esforço conjunto pode mudar o quadro.

Gostou? Indique para um amigo. Clique aqui!

segunda-feira, 5 de novembro de 2007

Problemas? Todo mundo tem...

Impressões Pessoais
por Débora Martins

Meu cabelo hoje está terrivelmente enovelado. Já tentei de tudo, nem o xampu Seda Chocolate dá jeito no bicho. Pente, escova, secador, não tem conversa. Depois de algumas horas guerreando com minhas madeixas, decidi deixar esse negócio de lado e trabalhar um pouco.
Pois é, tem dia em que parece que tudo vai dar errado. Será que hoje é um desses dias? Opa! Não, não vou deixar que meu cabelo estrague meu dia. Sei que é coisa da minha cabeça; e não é que é mesmo? ahahah...
Já sei, vou ameaçar: Se você não tomar jeito eu te levo pra Nice! A Nice é minha cabeleireira. Detalhe, ela sempre corta uns 5 cm cada vez que me vê, e sem precisar pedir. Quem sabe assim ganho o respeito da cabeleira...


Gostou? Indique para um amigo. Clique aqui!

Alegria pra viver

“A alegria não está nas coisas, está em nós”
- Goethe, Johann/Alemanha [1749-1832]

Impressões Pessoais
por Débora Martins

Eu sempre fui criança boba. Xiii... Qualquer coisa me alegrava. Na verdade, pensando bem, até hoje sou assim. “Dá um pedaço de papel e um lápis pra essa menina que ela fica feliz”, dizia minha mãe para meus parentes. Ao término do desenho eu só queria os aplausos e um lugar de destaque na geladeira. Brincava com pedaços de galhos das árvores do quintal e qualquer embalagem vazia, bastava pintar uma carinha para virar bonequinho. Sempre tive alegria em tudo. Pena que um dia a gente cresce e, infelizmente, não dá pra pintar carinha alegre sobre o rosto de gente carrancuda.
No entanto, dá sim pra ignorar e, sobretudo, não se deixar contaminar.
A alegria tem dessas coisas, nos torna joviais e festivos, mesmo que à nossa volta só exista gente chata. Quem não sabe pensa que alegria é uma espécie de alienação.
Bom para nós, que perdemos o juízo e nos apaixonamos pelo lado bom da vida.

Gostou? Indique para um amigo. Clique aqui!

segunda-feira, 29 de outubro de 2007

Você merece o melhor!

Impressões Pessoais
por Débora Martins

Olá! Profissionais,

Amigo leitor, antes de qualquer coisa quero me desculpar pelos editoriais tão carregados que venho escrevendo ultimamente. Você que acompanha meu trabalho há tanto tempo sabe que meu negócio é compartilhar as alegrias, que felizmente não me faltam, e falar de motivação. Ainda bem que a intimidade que temos me permite corrigir a tempo tal comportamento. Pensei muito sobre a responsabilidade que é escrever este editorial para mais de 18 mil leitores. Arrepiei-me só de lembrar que sou tão bem recebida em sua caixa de entrada. Por este motivo reitero meu compromisso de dar o melhor em qualidade neste encontro semanal. A partir de agora surge um novo tempo em que nosso boletim resgata sua missão, que é transmitir a você, amigo leitor, mensagens que falam ao coração e são edificantes para seu trabalho.

Um forte abraço, e que Deus abençoe sua semana.

quinta-feira, 25 de outubro de 2007

Nossas Verdades

Impressões Pessoais
por Débora Martins

Aquilo em que acredito nem sempre é em que os outros acreditam.
Confuso? Não, basta olhar além para entender que nem sempre o que temos como verdade faz sentido para as outras pessoas.
Olha que papinho cabeça... Pode até parece, mas se faz necessário compreender porque tantas e tantas vezes parece que somos alienígenas diante de algumas situações. Vejamos, por exemplo, o caso da consideração. Se você foi criado em uma família que preza pelo respeito e consideração ao próximo vai aplicar tais princípios no decorrer de sua vida. Já um sujeito que (infelizmente) não teve a mesma educação desconhece tal palavra, quanto mais sua aplicação prática. Ou seja, jamais poderemos exigir dele tal comportamento. Entristeceu-se? Que pena, mas é a realidade.
Compreender as verdades alheias nos faz crescer fortes e inteligentes. Ops! Pera aí, acho que esta parte "crescer fortes e inteligentes" é o slogan de uma marca de yogurte... Eheheh.

Gostou? Indique para um amigo. Clique aqui!
------------------------------------------------------------------------------------------------
Débora Martins é jornalista, consultora e palestrante organizacional com ênfase em Gestão de Pessoas e Desenvolvimento de Talentos.
Contrate. Acesse o site: http://www.deboramartins.com.br

segunda-feira, 22 de outubro de 2007

Chega de ser vítima!

Impressões Pessoais
por Débora Martins

Gente, que negócio chato é conversar com alguém que é vítima da vida e das circunstâncias. Nossa, que saco, isso cansa a gente e o papo não evolui.Ninguém quer ouvir histórias tristes o tempo todo. Já bastam os noticiários. Se avaliarmos bem, perceberemos que todo mundo em algum momento é vítima, afinal sujeitos sem escrúpulos existem aos montes por aí, dispostos a prejudicar alguém. O jeito é tomar consciência disto e pensar positivamente. De nada adianta remoer e discorrer horas sobre o assunto. O negócio é levantar a cabeça e sacudir a poeira. Dar a volta por cima é conseqüência... Ahahah...

Um forte abraço, e boa semana.

Gostou? Indique para um amigo. Clique aqui!

sexta-feira, 19 de outubro de 2007

Entrevista - Programa “Viver e Conviver”

“EMPATIA - ARTE DE GERENCIAR RELACIONAMENTOS”
O programa “Viver e Conviver” é produzido por Paulinas TV e veiculado pela Rede Vida de Televisão 18/10/2007.

1.Débora, eu queria que você definisse empatia e nos desse um exemplo de uma situação empática.


Empatia é saber se colocar no lugar do outro. Entender como a pessoa se sente e, dentro de limites, tentar ajudá-la.
Ex. Num dia de chuva você chega ensopado na recepção da empresa; uma recepcionista “simpática” diz: Nossa, que chuva! (ou seja, ela não ajuda em nada apenas comenta sobre as condições do tempo, não se importando com sua condição).
Agora, se a recepcionista agir com empatia ela irá dizer:
“Coloque aqui suas coisas.”(Ela guarda seus objetos enquanto você se recompõe)
“O toalete fica no final do corredor.” (Ela indica um local, no caso o toalete, para que você consiga ameninar sua situação).
Pessoas empáticas pensam sempre como gostariam de ser tratadas se estivessem nas mesmas condições do outro.

2.A empatia está ligada ao altruísmo?

Com certeza. Se não consigo amar ao próximo, como vou conseguir sequer pensar por um instante em ajudá-lo? No entanto, as pessoas podem desenvolver a condição de empatia e se beneficiar com a benevolência que suas atitudes vão desencadear. Principalmente sob a forma de respeito e consideração.


3.Dizem que quando alguém ajuda uma pessoa que está me apuros, por exemplo, num incêndio, essa pessoa sente uma alegria empática diante da gratidão daquela que foi salva. Isso a leva a estar pronta para socorrer novamente outras pessoas, porque a recompensa é alta. Isso é verdade? E funciona no dia-a-dia em situações mais amenas?

Sim, é verdade, praticar o bem é maravilhoso. No entanto, no dia-a-dia as pessoas têm a bendita mania de esperar algo em troca, e é aí que o “leite azeda”, ou seja, esquecem que se colocar no lugar do outro é uma atitude que requer desprendimento. A recompensa vem do universo, ele é quem vai proporcionar a você a bondade de volta. Mas só a sensação de bem estar já vale a pena. Já pensou se Jesus Cristo nos cobrasse por todo amor e por todo bem que nos fez?

4.De que forma a empatia pode abrir portas no mundo profissional?

Uma pessoa que pratica a empatia pensa rápido:
-segura o saco de lixo para a tia da faxina, antes que caia;
-aperta o botão que prende o elevador para esperar por outras pessoas;
-oferece sua caneta para uma pessoa que tenta escrever com uma que esteja falhando;
-faz perguntas para identificar em que pode ser útil para o grupo.

Estes são alguns exemplos. Não estamos falando de alguém com super poderes, apenas de um indivíduo que se preocupa com os outros, afinal não lhe custa nada fazer pequenos favores. Que empresa não gostaria de ter colaboradores assim? É por isso que vale lembrar que quando vamos a uma entrevista de emprego somos observados desde o momento que cruzamos a portaria até o trajeto de volta a nossa casa. É bom pensar nisto.


5.As empresas reconhecem essa característica no funcionário? Elas já buscam esse perfil?

De uns tempos para cá, as empresas estão falando muito em responsabilidade social, ética, comportamento e evolução espiritual.
Elas procuram por seres humanos melhores, evoluídos, e que não tenham tempo a perder com coisas pequenas.


6.Como a empatia se dá nas relações entre empresa e cliente?


O Cliente percebe quando não existe somente uma relação de compra e venda, que na maioria das vezes envolve mentira. Os clientes querem que seus fornecedores falem a verdade. Mesmo se a entrega for atrasar, ele quer a verdade. Este é o diferencial por aplicar a empatia no mundo dos negócios, as pessoas desenvolvem consideração e respeito. Leva um tempo, mas conseguem educar seus relacionamentos para que sejam baseados na verdade e ajuda mútua.


7.É possível ensinar às pessoas a serem empáticas ou essa é uma característica que todos têm e só precisa ser trabalhada?

Digamos que é possível fazer com que um indivíduo tome consciência de que com a empatia sua vida vai-se tornar melhor. Todos são capazes de praticar a empatia em seu dia-a-dia, mas precisam querer.

Assista o vídeo >>

Gostou? Indique para um amigo. Clique aqui!

segunda-feira, 15 de outubro de 2007

Poderosas e assustadoras

O mundo das gentilezas masculinas já não é mais o mesmo para algumas mulheres modernas. Mas, calma lá... Elas não têm culpa.
Não estou falando de mulheres que trocam o pneu do carro... Xiii! Isso é fichinha...
Hoje há mulheres que trocam um chuveiro, um bebê, a roupa e um pneu antes de fazer uma palestra em outra cidade, e por aí vai.
Não são mulheres que se drogam com anfetaminas ou pretendem usar de força sobre-humana para humilhar seus maridos. São apenas mulheres. Sim, mulheres incrivelmente determinadas e apaixonadas pela vida.
Muitas destas batalhadoras, que aparentemente não fazem a menor questão de ser tratadas como divas, o que desejam é contribuir de forma sensível para a construção de uma sociedade melhor e mais justa (não estamos falando de saia... Ahah).
Mas, e infelizmente, preocupadas com sua carreira, muitas delas acabam se tornando tão independentes que afugentam seus candidatos a pretendentes. Isso mesmo. E como fica a vida afetiva?
Tempos modernos. Agora elas estão exigentes e não querem relacionamentos ao “estilo submisso”. Afinal, o que se ganha com isto?
Para elas é importante ter um companheiro inteligente, encorajador, bom amante e fértil. Fértil? É claro, afinal elas querem se reproduzir com qualidade.
Pois é, se o sucesso tem um preço e este é a solidão isto não as assusta, pois ainda não perderam a esperança de encontrar um companheiro à altura.
De certo modo, o grau de exigência das mulheres aumentou muito, concordo; mas isto não significa que perderam a feminilidade.
E, por falar em feminilidade, perceba também que estão cada vez mais belas e bem cuidadas. Para os homens que estão lendo este texto a situação pode parecer complicada, mas não é bem assim.
Homens, atenção! Não se assustem! De fato, elas são mais difíceis mesmo.
Mas, se você foi ensinado a cortejar e lutar para conquistar uma mulher seja inteligente, pois chegou sua vez. Ponha em prática tudo que aprendeu, e boa sorte!

Gostou? Indique para um amigo. Clique aqui!

sábado, 13 de outubro de 2007

Nada dá certo pra mim!

Impressões Profissionais
por Débora Martins

Bem, se você se identificou como o título deste artigo é porque precisamos ter uma “conversinha”. Eu prometo não lhe dar uma bronca.
Talvez você esteja passando por um daqueles momentos em que tudo parece dar errado. Já aconteceu comigo.

Ficamos sem rumo certo, e a sensação que fica é que aquele momento nunca vai acabar.
Mas, sem que a gente perceba, de repente está tudo voltando aos eixos e a nossa vida continua seguindo seu rumo.

Que bom que a vida é assim! No entanto não podemos ignorar o aprendizado obtido durante o período em que nos sentimos mal.
Quer uma sugestão?
Quando as coisas não dão certo para mim eu faço um “exercício miscelâneco”, é isso mesmo, não estranhe, eu que inventei.
Trata-se de uma mistura de diferentes coisas que aprendi com pessoas extraordinárias que conheci.

Curioso, não é?
Com uma antiga professora aprendi que somente sofre quem é consciente, logo fico feliz em saber que minhas preocupações não são infundadas ou precipitadas. Isso, analisando sob outro ponto de vista, significa que se nos preocupamos à toa é pura ansiedade.

Tempos atrás um grande amigo me disse para “pensar na cor azul quando estivesse nervosa, isso acalma”. Sempre dá certo.

Com Jesus Cristo, lendo a Bíblia, aprendi como é importante se manter calmo durante as tribulações, isso garante o entendimento e a harmonia nas relações.

Você também é uma pessoa incrível e deve conhecer pessoas maravilhosas. Pense em pessoas e em momentos bons já que vivenciou.
Lembre-se que muitas coisas já deram certo, sim.

São crenças, experiências e atitudes que nos tornam capazes de combater o pessimismo e enxergar novas oportunidades.
Mas quais são estas atitudes? Bem, você pode começar eliminando do seu vocabulário palavras e frases derrotistas.
Nunca despreze um conselho, principalmente de pessoas mais velhas. Seja otimista e mantenha o bom humor.

E tenha uma certeza: Tudo vai dar certo!
Boa sorte!

Gostou? Indique para um amigo. Clique aqui!

quinta-feira, 11 de outubro de 2007

SUPERE 2007 - MG - O Evento


Quero agradecer todo carinho que recebi do povo mineiro.

"O valor das coisas não está no tempo que elas duram, mas na intensidade com que acontecem. Por isso existem momentos inesquecíveis, coisas inexplicáveis e pessoas incomparáveis."
- Fernando Pessoa

segunda-feira, 8 de outubro de 2007

SUPERE 2007 - MG

Olá! Profissionais,

Amanhã estarei em BH participando do SUPERE 2007

O SUPERE acontece desde 2003, e vem-se consolidando como um dos mais importantes eventos anuais de Gestão Empresarial em Minas Gerais. Os temas abordados serão: empreendedorismo, inovação, gestão empresarial, negociação, vendas, gestão de pessoas e finanças.
Para mim será uma grande honra estar ao lado de outros 25 palestrantes de sucesso que irão expor uma visão privilegiada do mercado e de seus novos rumos. Meus
leitores de Minas, espero vê-los por lá.

Um forte abraço, e boa semana.

quinta-feira, 4 de outubro de 2007

Mudança

Ufa! Finalmente mudei. Não consigo compreender pessoas que moram a vida toda em um mesmo endereço. Fico inquieta quando passo mais de três anos em um imóvel, quero derrubar as paredes, mudar o piso e fazer uma nova decoração.
A parte mais chata da mudança é colocar as coisas no lugar, tudo deve estar limpinho e organizado rapidinho, senão não dá para se sentir em casa. Um "fenômeno" que acontece nas mudanças é o de se livrar de coisas que já não servem mais. Essa é minha parte preferida. Jogar coisas velhas fora é tão bom, dá uma sensação de bem estar!
Se você não pretende se mudar, que tal praticar a parte boa? Comece se despojando de coisas e pessoas que já não fazem mais sentido em sua vida. Tenho certeza que você vai adorar. Pense nisso!

Que Deus abençoe seu restinho de semana!

quarta-feira, 3 de outubro de 2007

terça-feira, 2 de outubro de 2007

Traiçoeiros. Sim, eles existem!

Bons tempos de faculdade... Nossa, quantas saudades... Ô pessoalzinho danado, aquele!
Na época eu era amiga da sala inteira, dos mais de quarenta alunos, com exceção de um tipinho, sabe, daqueles roqueirinhos que andam de sobretudo num sol de 40 graus... É, eu bem que tentei, mas nosso santo não batia. Tinha cada figura. Alguns bem legais, outros meio fechados, e dois ou três que até hoje são caros ao coração.
Depois de algum tempo tive a oportunidade de reencontrar algumas destas figuras, e tudo estava mudado. Alegrei-me, pois todo mundo tinha muitas histórias para contar, afinal sete anos já se haviam passado.
Um deles, que inclusive tem a mesma idade que eu, surgiu do nada e me pediu uma oportunidade de emprego. É claro que eu o recebi com os braços abertos. Por mais que minha intuição dissesse para não confiar, minha amizade me cegava.
Dei a oportunidade que procurava, afinal o sujeito não tinha evoluído um triz em sua carreira nos últimos anos; muito pelo contrário, o fulano estava regredindo.
Investi na pessoa, treinei, apoiei e coloquei minha mão no fogo.
De fato, ele estava conseguindo fazer um bom trabalho dentro de suas limitações, mas sem apresentar perfil de liderança. Foi aí que a coisa pegou. Logo você percebe quando uma pessoa não consegue guardar segredo e não tem controle sobre sua equipe. Mesmo assim, sou da turma que reconhece um bom trabalho, e numa tarde estava eu em frente a uma vitrine de loja escolhendo um belo e caro relógio para presenteá-lo.
Será que ele merecia? Senti os sinais e os ignorei.
Nos últimos dias, o sujeito mentia deliberadamente e aplicava uma conversa do tipo amigo conselheiro, porém sem olhar nos olhos e sem contato físico. Será que havia algo de errado? Pois é, não deu outra. O fulano estava preparando uma “caminha de gato” para quem o acolheu.
Bem, o final desta história você já pode deduzir.

Quantas e quantas vezes ajudamos pessoas que acreditamos conhecer, e de repente a vida nos surpreende, revelando a verdadeira face delas. Esta é uma história real que neste momento pode estar acontecendo aí, dentro de sua empresa. Será que o personagem traiçoeiro está errado? Para uma sociedade que prega a inversão de valores parece que ele está agindo certíssimo; afinal, no mundo dos negócios vale tudo, não é? Não, enquanto o ser humano continuar agindo desta forma a nossa sociedade só se afunda. Hoje ninguém confia em ninguém, e a tendência é só piorar com o passar do tempo. É por causa de pessoas assim que as portas se fecham.
Precisa de um emprego? Sinto muito, aprendi uma lição.

segunda-feira, 1 de outubro de 2007

Sábio mendigo

Outro dia, um mendigo me disse na rua: Débora, você tem tudo!
Instantaneamente me lembrei das coisas que ainda preciso conquistar. Mas depois parei e pensei que ele estava certo, de fato tenho tudo mesmo.
Dois bracinhos, duas perninhas, muita saúde e inteligência para trabalhar arduamente. Desde cedo aprendi que não existe segredo para o sucesso, o nome disto é TRABALHO. Algumas pessoas se surpreendem e invejam o sucesso de outras, porém se esquecem de que por trás de tudo existem dedicação e trabalho duro. O mendigo tinha razão, afinal ele escolheu enganar e trapacear pela vida inteira, como ele mesmo afirmou. Nada se passa por acaso, pois somos responsáveis por tudo que acontece conosco, seja bom ou ruim. Pense nisto!

sexta-feira, 28 de setembro de 2007

Pessoas de caráter

Quer coisa melhor do que conviver com pessoas de bom caráter?
Conheço muita gente, mas ultimamente tenho-me surpreendido ao observá-las com mais atenção. Quanto carinho, quanto afeto e, principalmente, consideração.
É impressionante como ele se faz notório em pessoas que mal conhecemos. Isso porque o caráter é inerente ao próprio espírito, e os moldes de educação e adaptação às diferentes condições e fases da vida humana.
É uma pena que o caráter faz ver além das conseqüências dos atos.
Notavelmente não pode ser adquirido, estudado ou mesmo aprendido.

quinta-feira, 27 de setembro de 2007

Com os olhos bem roxos!

Gente, já tomei tantos socos da vida e, parece que não aprendi nada.
Você já se sentiu assim? A verdade é que aprendemos sim. Na marra, mas aprendemos.
Mesmo que nossos setores das comunicações e das relações humanas pareçam um verdadeiro desastre, temos que ter consciência de que na realidade estão em constante fase de redefinição. É como cortar a franja para tirar o cabelo da frente dos olhos e daí poder enxergar mais adiante. Poético, não é?!
Enfim, talvez você se pegue particularmente mais sensível aos socos da humanidade, mas se analisar direito sempre estará aprendendo e assim tornando-se cada vez mais forte.
Dói, mas não é tão ruim assim. Ei! Roxo até que é uma cor bonita, vai...Ahah

Que Deus abençoe seu restinho de semana.

quarta-feira, 26 de setembro de 2007

Procura-se mais viva do que nunca...


Olá!, Pessoal.
Perdoem-me pelo sumiço...Mas é para melhor eu garanto...eheheh
Em breve retorno com novidades e atualizações diárias.
Um grande abraço.

Débora Martins

terça-feira, 11 de setembro de 2007

Meu, o Tody é louco!

Esse gringo vem todos os anos para o Brasil só pra tumultuar. Da última vez que esteve aqui apareceu lá em casa com uma ararinha-azul, isso mesmo, aquela ave cuja espécie está em extinção. Quase que eu mato ele.
Mas não fica só nisso, não. Ele já apareceu com legumes e verduras que comprou na feira mas não pagou, pegou também uma furadeira emprestada de um vizinho meu, mas não sabe dizer qual é o apartamento do dono para que eu possa devolver. Enfim, nem vou contar o resto, talvez seja impróprio para o horário.
Gente, esse é o Tody. Apesar de criar situações desesperadoras e até cômicas, o Tody é uma pessoa fantástica, que muitas vezes faz coisas perigosas sem pensar. Lá no fundo ele é uma criança e, apesar de tudo, sempre rimos no final.
Zangar com ele é besteira, o mais importante é saber amá-lo e aceitá-lo, o resto a gente administra. Ei, você também conhece alguém assim?

Férias! E agora?

Como é bom ter boa memória, não é?!
Gente, quase que me esqueço da promessa que fiz no início do ano... Hum...
As meninas estavam afoitas, e mal esperavam o toque da sirene do colégio pra me encontrar, de malas prontas. Elas têm 17 e 13 anos de idade, uma é prima e outra é sobrinha, as duas devem ficar em minha casa até o final do mês.
Estou com medo, socooorro!
Esse negócio de Harry Potter, Playcenter, Mac Donald’s e Hits modernos... Puts, puts, todos os dias não há quem agüente. Tô veinha... Ahahah
Meus dias de adolescência recomeçaram, ainda bem que sou eclética e consigo me adaptar facilmente a quase tudo.
Mas o mais gratificante é saber que existem pessoas que esperam por nós, seja para passar férias ou para um simples bate-papo no café da tarde. Portanto, valorize quem te ama, e principalmente sua família.

segunda-feira, 10 de setembro de 2007

domingo, 26 de agosto de 2007

Horóscopo da semana para todos os signos

Olá! Profissionais,

Estamos na sétima lunação do ano, quando Saturno e Netuno estão em oposição, proporcionando assim um período muito favorável para confrontar a imaginação com a realidade.
Horóscopo? Saturno? Talvez você esteja se perguntando... O que é isto? Calma! Você não está lendo o boletim errado, não.
Se você quer que Saturno se exploda, tudo bem. Se você nem olha para Lua, tudo bem também.
No entanto, uma coisa que não se pode ignorar é o fato de que estamos trocando energias com as outras pessoas o tempo todo. Independentemente de nossas crenças, é muito importante saber respeitar as outras verdades. Nesta próxima semana, seja qual for a lunação, a minha dica é olhar para si com mais auto-estima e autoconfiança. Somos únicos e preciosos.
Portanto, saber respeitar o próximo é respeitar a si mesmo. Pense nisso!

Um forte abraço,

Débora Martins

Gostou? Indique para um amigo. Clique aqui!

domingo, 19 de agosto de 2007

Minha Infância...Saudades!

 
Posted by Picasa


Casimiro de Abreu e Débora Martins
Meus oito anos (e meio)

Oh ! Que saudades que tenho
Da aurora da minha vida,
Da minha infância querida
Que os anos não trazem mais!
Que amor, que sonhos, que flores,
Naquelas tardes fagueiras,
À sombra das bananeiras,
Debaixo dos laranjais!

Oh ! Que saudades que tenho
Dos tombos da minha vida,
Da minha infância dolorida
Que os anos (graças à Deus) não trazem mais!
Que dor, que roxos, que choros,
Naquelas tardes de bobeira,
Tropeçando nas bananeiras,
Debaixo dos laranjais! .
Laranjeiras malditas...Ai!

quinta-feira, 16 de agosto de 2007

Blusinha na cadeira

Se ele está pensando que engana alguém, coitado!
Em algum momento aquele funcionário da empresa acha que tem total estabilidade.
Como diriam os telespectadores assíduos do Big Brother: O fulano pensa que é o “Anjo da Casa”. Chega de mau humor, coloca a blusinha na cadeira e fica soberano, acima de todas as coisas existentes no escritório.
A criatura se torna arrogante, passa a exigir excelência no trabalho dos outros, e ainda por cima deixa de fazer o seu. Sinceramente, figuras como esta existem aos montes nas empresas. O pior é que não aceitam feedback, e muitas vezes passam dos 40 sem assumir nenhum cargo de gestão. Isso frustra, o indivíduo é que não percebe e acaba se tornando cada vez mais amargo.
Infelizmente, os demais colaboradores têm que conviver com esta figura, mas o que fazer?
Funcionários egoístas e com padrões comportamentais que agridem a moral da equipe não duram muito tempo em uma empresa. É seleção natural. Se ele não sai alguém sai com ele.
Toda energia que seja empregada na mudança comportamental não surte efeito, pois seus ouvidos estão tapados. O primeiro passo não é tentar mudar essas pessoas, e sim perceber comportamentos em si próprio para não correr o risco de se tornar uma delas.
Trabalhar com amor e alegria faz com que o trabalho renda e o dia passe tranqüilamente.
Mas quem disse que é fácil? Não é! Trata-se de um exercício constante de parar para pensar e responder a três perguntas:

1º Eu preciso deste emprego?
2º Eu respeito as pessoas no ambiente de trabalho?
3º Eu faço por merecer?

Respondendo a estas perguntas você consegue analisar seu nível de satisfação para com seu emprego atual e, principalmente, seu comportamento. Ao fazer esta reflexão perceberá se sua postura está de acordo com o que você realmente almeja como colaborador. Perceba se tem realmente trabalhado para obter o reconhecimento que merece, respeitando seus colegas e mantendo-se útil para a empresa.
Portanto, lembre-se: blusinha na cadeira não garante seu emprego.
Reclamar é fácil, fazer é que é difícil. Pense nisto!


Gostou? Indique para um amigo. Clique aqui!

quarta-feira, 15 de agosto de 2007

Cozinhando com amor

Cozinhando com amor
Adoro cozinhar! ...Hum, que mentira mais deslavada essa minha. Na realidade eu gosto mesmo é de receber os elogios. Lavar a louça e arrumar a bagunça, tó fora!!!

Quanto mais as pessoas comem, mais feliz eu fico. Pergunto: Gostaram? Na realidade a pergunta é: Sentiram o sabor de todo o carinho que sinto por vocês?
Nossa expressão emocional pode ser sentida através de tudo que fazermos. Portanto, se estamos felizes e satisfeitos tudo que tocamos se torna mais colorido e, porque não saboroso também. Faça tudo com muito amor. Pense nisso!


Gostou? Indique para um amigo. Clique aqui!

O que tem valor, valorizado está. Será?

Tenho um amigo de longa data. Bem, como é amigo, e de muito tempo, posso falar-lhe umas boas verdades.

Afinal, para que servem os amigos senão para apontar nossos defeitos?... Brincadeira. A questão é que esse meu amigo tem energia de sobra, é super ativo, gosta de praticar esportes e é muito inteligente. Sua marca registrada é o sarcasmo, chega a ser até um tipo de charme. Opa! Mas, se você pensa que ele só tem qualidades, peraí, o bichinho é encanado. Pois é, tem tanta energia que gasta à toa, valorizando coisas e situações sem importância. O duro é que ele sabe que são sem importância mesmo. No entanto insiste.
Na realidade, conheço muitas pessoas como ele, que em determinado momento da vida, quando podem ficar tranqüilas vivenciando uma situação confortável e feliz, ficam procurando pêlo em ovo. Pensar positivo, acreditar e confiar são a melhor maneira de desencanar.
Que tal assumir a posição "eu sou feliz agora" e valorizar quem e o que está à sua volta? Assim a vida fica mais leve. Pense nisso!

------------------------------------------------------------------------------------------------
Débora Martins é jornalista, consultora e palestrante organizacional com ênfase em Gestão de Pessoas e Desenvolvimento de Talentos.
Contrate. Acesse o site: http://www.deboramartins.com.br

segunda-feira, 9 de julho de 2007

Criança pequena, média, grande e eterna

Desde criança sempre fui muito acelerada, na época não existia esse negócio de criança hiperativa... Que nada! Isso é coisa moderna.

Na realidade, o nome que a maioria dos vizinhos dava a este tipo de criança era praguinha mesmo. Uma das coisas que adorava fazer era ir ao supermercado para alguém, isso sempre me rendia alguns trocados. E por falar em dindim, eu sempre dava um jeitinho de garantir as balas e o doce de abóbora em formato de coração, meu preferido. Entre as façanhas que aprontava e os benefícios que proporcionava à comunidade, é claro, sempre apanhava no final. Aliás, se não fosse assim não tinha graça... Aiaiai
Escrevendo sobre minha infância, refleti sobre como a nossa história de vida tem influência direta na forma com que nos relacionarmos com o mundo.
As experiências que vivenciei na infância me proporcionaram muito aprendizado. Se hoje respeito o próximo, lido com dinheiro de forma consciente e tenho uma postura profissional ética, isso se deve ao fato de ter recebido uma educação para ser um adulto independente, desce cedo. Cada um tem a sua história e seus valores.
Algumas pessoas crescem, já outras são eternas crianças no sentido "praguinha" da palavra.

Gostou? Indique para um amigo. Clique aqui!
------------------------------------------------------------------------------------------------
Débora Martins é jornalista, consultora e palestrante organizacional com ênfase em Gestão de Pessoas e Desenvolvimento de Talentos.
Contrate. Acesse o site: http://www.deboramartins.com.br

sábado, 7 de julho de 2007

Novos Amigos

"Só sei que quando temos amigos, o mundo fica muito melhor e mais ENGRAÇADO!"
- Mauricio Simão (Mau), Anfitrião e mais novo Amigo



Quantas chances você tem?

Eu sou do tipo que dá até umas 101 chances, ou pelo menos dava, até agora.
Como vocês sabem, acredito no ser humano e em sua capacidade de se reinventar, conquistar e fazer coisas grandiosas. No entanto, ao digitar as primeiras palavras deste editorial tive um súbito ataque de egoísmo, e pensei: Tudo tem limite! Às vezes não me dão nem a primeira chance.

Por isso, sempre saliento em minhas palestras quão importante é estabelecer relacionamentos saudáveis. É claro que às vezes nos enganamos com as pessoas, mas isso não é motivo para assumirmos posições egoístas, introspectivas, até mesmo ríspidas. Como diz minha amiga Roselaine Leme: "Tem pessoas que vão e vêm, mesmo que seja por um tempo determinado, pra nos dar algum sinal..."
Olhando pelo lado positivo é só aprendizado. No dia-a-dia temos que nos relacionar com diferentes tipos de pessoas nas mais diversas situações; agora, se não vivenciarmos situações negativas, como saberemos avaliar nosso comportamento e lidar com isso?
Portanto, dê-se uma chance de errar para assim aprender. Pense nisso!

--------------------------------------------------------------------------------------
Débora Martins é jornalista, consultora e palestrante organizacional com ênfase em Gestão de Pessoas e Desenvolvimento de Talentos.
Contrate. Acesse o site: http://www.deboramartins.com.br


Gostou? Indique para um amigo. Clique aqui!

Tirando da gaveta

Vocês não imaginam o tanto de coisas legais que encontrei neste final de semana. Algumas destas coisas eu já tinha perdido a esperança de reaver, e outras eu até tinha esquecido que possuía.

Ficou curioso? Sem problemas, eu conto. Tinha de tudo um pouco: livros, fotos, lembrancinhas, óculos de sol, bijuterias, cartões e outras bugigangas. Encontrei desde o livro de Paulo Coelho "As Valquírias" (que achei que tivesse emprestado) até um par de bolas tailandesas, lindíssimas.
O mais interessante foi saber que estava tudo ali, bem perto de mim, mas do que, no entanto, durante muito tempo, não havia me dado conta. Só aí percebi que tinha feito uma verdadeira descoberta arqueológica de minhas memórias. A sensação foi tão boa que decidi fazer o mesmo com as pessoas. Como resultado, vivenciei boas horas de alegria e troca de carinho com meus amigos. Pessoas que às vezes estão tão próximas da gente que nem nos damos conta de como são importantes. Pense nisso!

Por favor, parem de falar!

Desculpem-me, não quis ser mal educada, apenas não consigo assimilar tanta informação agora. Você já se sentiu assim?
Pois é, há momentos na vida em que tudo o que precisamos é de um pouquinho de silêncio.

Não que eu não queira ouvir boas idéias (não estou louca), apenas é necessário certo tempo para dar andamento às que já pairam na minha mente.
Idéias, muitas e muitas idéias me chegam e, em sua maioria, espetaculares; no entanto, o excesso de informações pode causar a perda de conteúdo valioso.
Portanto, se você estiver sendo bombardeado por boas idéias não as desperdice, peça para que as apresentem num outro dia.
Agora, se é você que está tendo boas idéias e não consegue levá-las adiante não desanime, a melhor dica é anotar.
Pare de falar, agora. Mas, por favor, não pare nunca de pensar.

Gostou? Indique para um amigo. Clique aqui!
--------------------------------------------------------------------------------------
Débora Martins é jornalista, consultora e palestrante organizacional com ênfase em Gestão de Pessoas e Desenvolvimento de Talentos.
Contrate. Acesse o site: http://www.deboramartins.com.br

Doce sabor sabão


Tá atrasado...

Quer época mais apropriada para dar e receber doces do que o dia dos namorados?
Na Europa e na América do Norte essa festa é tradicionalmente comemorada no dia 14 de fevereiro, dia de São Valentim.
Diferente do nosso 12 de junho, o Valentine's Day celebra o amor de maneira geral. Neste dia as pessoas trocam cartões, chocolates, lembrancinhas e muitos beijinhos também.
Agora imagine trocar intoxicações.
Assustou?
Pois é, esse foi meu objetivo. Datas como esta merecem cuidado redobrado na hora de escolher o presente certo para a pessoa amada.
Com o comércio varejista em pânico, a saúde do seu amor não pode ser negligenciada.
As belas vitrines recheadas de bolos, tortas e tudo o que há de bom podem trazer um verdadeiro mal estar para o seu relacionamento.
Exija produtos de boa qualidade que atendam aos direitos básicos do consumidor.
O Art. 6.º parágrafo I garante a proteção da vida, saúde e segurança contra os riscos provocados por práticas no fornecimento de produtos e serviços considerados perigosos ou nocivos.
Às vezes você não percebe, mas se ao chegar em casa o seu pacote apresentar um doce com aparência cabeluda, fortes odores, sabor não convencional, não, você não está ficando louco. Louco é o dono do estabelecimento que pensa ser esperto lhe vendendo algo nestas condições.

O que fazer:
Ao constatar qualquer alteração em determinado alimento comunique-a imediatamente ao gerente ou proprietário do estabelecimento.
Não troque, exija o seu dinheiro de volta e peça ao responsável que jogue a mercadoria estragada no lixo, imediatamente.
Caso sinta-se lesado ou destratado, não pense duas vezes, chame imediatamente a Vigilância Sanitária.

Gostou? Indique para um amigo. Clique aqui!

terça-feira, 19 de junho de 2007

Todo mundo é um pouco Fênix

por Débora Martins

Uma das coisas que mais aprecio nos seres humanos é essa capacidade de se renovar.
Ainda bem que não entramos literalmente em autocombustão para depois renascer das próprias cinzas... Sorte nossa! Mas quase. Para algumas pessoas, por exemplo, um processo de mudança de simples proporções pode ocorrer de forma muito dramática e dolorosa. Já para outras qualquer tipo de mudança é bem-vinda, pois já aprenderam a administrar este poder de transformação.
Há muito tempo percebi que tudo está associado à intensidade que cada um imprime a seu momento de vida. Interessante, não é? Talvez você esteja se perguntando onde pretendo chegar; bem, para finalizar aqui vai uma reflexão:
Entenda, compreenda e aceite.
Uns pegam fogo, outros são mornos demais; no entanto, que somos nós para querer modificar a vida das outras pessoas, mesmo que seja para melhor?


Gostou? Indique para um amigo. Clique aqui!

Amigos são Amigos!


Sem dúvidas! Se não fosse por meus amigos eu estaria completamente ferrada... Ops! Mas é a realidade.
É impressionante como nossos amigos são pacientes conosco. Na verdade, acredito que muitas vezes até sofrem por nós. No entanto, nosso ritmo de vida muitas vezes não nos permite retribuir-lhes com, no mínimo, reconhecimento, respeito, e até mesmo ética.
Sinto-me muito mal por não me corresponder com freqüência com meus amigos, inclusive sei que alguns até estão lendo este editoral agora, e pensando em assinalar uma das alternativas abaixo:
( ) Sua cachorra! Você nos abandonou?!
( ) Sabemos que as coisas não estão fáceis para você.
Estou com medo... Mas sei que irão me perdoar desta vez... Snif...
Enfim, independentemente da resposta, é sempre bom saber que todo tipo de relação necessita de certa “manutenção”. São os vínculos que criamos com as pessoas, de uma forma geral, que nos ajudam a ser o que somos. Pense nisso!



Gostou? Indique para um amigo. Clique aqui!

Clube do Tucson

Você conhece o Clube do Tucson?

por Débora Martins

Bem, essa foi uma idéia que surgiu a partir da mobilização de uma única pessoa lá no escritório, ou seja, a mesma que vos escreve. Determinei que irei adquirir um Tucson em breve, e já espalhei a novidade para umas 20 mil pessoas.
Quem é apaixonado por carro sabe da jóia de que estou falando. Quem não conhece clique no link e apaixone-se... Que lindo!
Voltando ao Clube do Tucson, o objetivo principal é que cada um inicie uma cruzada em busca de seus objetivos, sejam eles quais forem (materiais, pessoais ou espirituais). Almejem, planejem e falem!
Na realidade, um Tucson pode ser, e deve ser, o que você quiser (frase roubada dos Tribalistas).
O importante é dizer ao mundo o que você deseja, e assim o universo vai conspirar a seu favor. Aproveite para reforçar suas metas e aplicar esta idéia em sua equipe. Boa sorte!

Gostou? Indique para um amigo. Clique aqui!
--------------------------------------------------------------------------------------
Débora Martins é jornalista, consultora e palestrante organizacional com ênfase em Gestão de Pessoas e Desenvolvimento de Talentos.
Contrate. Acesse o site: http://www.deboramartins.com.br

terça-feira, 5 de junho de 2007

“Quero aprender desde que não segure minha mão!”

“As coisas, por si sós, não são interessantes, mas tornam-se interessantes apenas se nos interessamos por elas.”
- S. Ceccato - Cientista italiano

por Débora Martins

“Quero aprender desde que não segure minha mão!”
Hum... Ferrou-se. Como vou ensinar sem tocar? Socorro! Sou cinestésica!
Tempos atrás, quando uma aluna me fez este pedido fiquei apavorada, afinal prego a empatia e o contato do indivíduo com o meio, de forma holística. Perguntei-me então: Como é possível alguém querer aprender algo impondo suas próprias condições?
Natural. Este é um típico comportamento com que nos deparamos o tempo todo. Seja nos relacionamentos profissionais ou pessoais as pessoas sempre estipulam limites para seu próprio aprendizado. No entanto, vale lembrar que aprendemos de várias maneiras, seja por tentativa e erro, por exemplo, ou por determinação.
Coletar informações é diferente de aprender. Para sermos competitivos precisamos adquirir conhecimento, nos instruir e ser sábios, de forma ilimitada.
Querer aprender tem a ver com humildade. Pense nisso!


Gostou? Indique para um amigo. Clique aqui!
--------------------------------------------------------------------------------------
Débora Martins é jornalista, consultora e palestrante organizacional com ênfase em Gestão de Pessoas e Desenvolvimento de Talentos.
Contrate. Acesse o site: http://www.deboramartins.com.br

Você tem metas?

“Não há nada que não se consiga com a força de vontade, a bondade e, principalmente, com o amor.”
- Marcus Tullius Cícero, Roma Antiga - Político/Orador/Filósofo

Você tem metas?

por Débora Martins

Gente! Algo que me deixa triste de verdade é conversar com alguém que não tenha metas. Sabe, um alvo, um objetivo, uma finalidade. Poxa! Todos temos que percorrer alguma distância em nossas vidas, seja ela do ponto A ao ponto B, isto é preciso. Pessoais, profissionais, afetivas, ambiciosas ou modestas, tais metas devem existir. Quando era mais jovem insistia em enfiar a idéia de metas na cabeça das pessoas. Nossa, era uma briga, pois fazia perguntas, identificava possibilidades e propunha a elas que agarrassem suas metas e as perseguissem. Talvez você esteja se perguntando se minha atitude surtia algum efeito. Bem, fiz um investimento que hoje me rende ótimos frutos, afinal tenho um enorme orgulho e admiração por todas as pessoas que aceitaram meus conselhos.
Há pessoas que ainda não sabem onde querem chegar, outras já estão no ponto A e, quem sabe, você até conheça alguém que já esteja no número PI das metas.
Portanto, insista e invista nas pessoas que estão à sua volta, pois sempre vale a pena. Espalhe suas sementes!

Gostou? Indique para um amigo. Clique aqui!
--------------------------------------------------------------------------------------
Débora Martins é jornalista, consultora e palestrante organizacional com ênfase em Gestão de Pessoas e Desenvolvimento de Talentos.
Contrate. Acesse o site: http://www.deboramartins.com.br

terça-feira, 8 de maio de 2007

Escrevi e você não leu?

Durante muito tempo, pedia às pessoas com quem convivia para lerem o que eu escrevia.
Na realidade eu quase me humilhava: “Você tem lido meus boletins? Vou cadastrar seu e-mail...” “Amigos, eu criei um blog novo, vocês gostaram?” Hum, mesmo assim não adiantava, um ou outro gato pingado lia. Postar comentários, nunca!
Enfim, desencanei de vez!
Como vingança, coisa que aprendi com Nicolau Maquiavel (1469-1527) - escritor, diplomata, e pensador político - decidi começar a escrever sobre elas, aquelas pessoas.
Vai vendo como o negócio deu certo: consegui a ardência delas, e agora elas ficam espertíssimas, não perdem uma edição.
O medo pode ser uma coisa positiva. Pelo menos pra mim foi... Ahahah

Gostou? Indique para um amigo. Clique aqui!

Se eu contar você não vai acreditar!

Bem, já que você não vai acreditar mesmo, pra que perdermos tempo?
Calma, calma, não precisa se torcer de tanta curiosidade.
Nos últimos tempos, uns dois meses, para ser mais exata, minha vida tem-se transformado. Sou praticamente uma metamorfose ambulante... Ahahah
O melhor de tudo é que todas as mudanças são positivas. Desculpe-me se neste momento estou sobrepondo minhas crenças, ou até mesmo fazendo-as se chocarem com as suas, mas este editorial é para dizer-lhe que realmente Deus existe e que nos ama muitoooo...
Por mais difícil que seja a situação, nunca estamos sozinhos.

Boa semana!

Gostou? Indique para um amigo. Clique aqui!

terça-feira, 3 de abril de 2007

Opa! Nada de melancolia

“Eu vivia cheio de esperança
E de alegria eu cantava, eu sorria
Mas hoje em dia eu...”


Já estava se emocionando? Bem, quem se lembrou de Manacéia e da velha guarda da Portela estava certo. Tempos atrás, Marisa Monte se lembrou deles e lhes fez uma belíssima homenagem.
Opa! Nada de melancolia. Comigo é só alegria, inclusive tem até um médico me estudando... É, tentando desvendar a minha fórmula... Ahahah!
Lembrarmos das pessoas que amamos e admiramos, ligar de vez em quando, responder aos seus e-mails ou simplesmente citá-las em nossas preces também pode ser uma ótima forma de homenagem.
Hoje estamos aqui, mas e amanhã? Pense nisso!